terça-feira, 14 de abril de 2015

espécie de crítica da semana: As Mulheres do Meu Pai, José Eduardo Agualusa


Andei a ler durante umas semanas As Mulheres do Meu Pai, de José Eduardo Agualusa.


Foi uma estreia para mim: nunca tinha lido nada de Agualusa e nunca tinha lido nenhum livro de um autor Angolano.
As minhas incursões pela literatura africana tinham-se ficado pelo fantástico Mia Couto, moçambicano. 

Resumidamente: o livro fala da história de Faustino Manso, um compositor angolano que deixa ao morrer 7 viuvas e 18 filhos. 
Não é um livro fáci de ler, pois é composto por fragmentos da história vistos/relatados por várias personagens ao longo de uma longa viagem feita pela filha caçula de Faustino em busca das origens do pai. Mas vale a pena.


Gostei muito. Para além de ter um estilo interessante, é muito real. Gostei a forma como relata Angola e as pessoas. Gostei de ver um livro que fala de África sem rebicoques. Confesso que o livro me poderá ter marcado ainda mais por, durante a sua leitura, ter perdido o meu avô, que viveu em Angola em asilo durante 12 anos, nos anos 50 e 60. Acabei por saber um pouco mais do sítio onde viveu, mesmo sendo a história passada numa zona de Angola bem longínqua de onde a minha família viveu. 

Recomendo a: Quem gosta de escritores africanos; Leitores exigentes; quem gosta de literatura de viagem. 


Enviar um comentário